Lazer,  New Places,  Travels

Dino Parque – Just making new friends

O Dino Parque está aberto desde o dia 9 de fevereiro de 2018 e contou com mais de 8.000 visitas só na sua abertura! 🎯

Sendo considerado o maior museu ao ar livre de Portugal e estando ele localizado na minha santa terrinha, pois claro que o tive que ir visitar e contar-vos tudo! 

 Deixo-vos então o convite para poderem entrar nesta viagem pintoresca onde o presente se cruza com a história de há 400 milhões de anos e onde podem conhecer a era onde as galinhas tinham dois metros de altura e os crocodilos tinham penas! 🐣🐊
(Ou quase isso)

Como sabem eu vivo na Lourinhã há já vários anos e desde a abertura do Dino Parque que eu queria lá ir, mas ainda não se tinha proporcionado (muito devido ao preço)! Esta semana lá fui eu conhecer as famosas feras: com uma mochila às costas, uma máquina ao pescoço e uma sandes para o almoço!

Recuei 400 milhões de anos; percorri 4 circuitos de várias épocas; andei mais de 3 Km e conheci 120 espécies de Dinossauros. Tudo em pouco mais de 5 horas, há melhor? 

Daqui por diante vão poder ver muitas fotografias, uma mão cheia de opiniões e umas quantas considerações finais sobre o Parque. Quem alinha nesta aventura??? ☝☝☝

O que eu gostei:

  • Pet Friendly (adorei o facto de podermos levar os nossos patudos connosco, acho mesmo incrível e é um ponto super a favor do Dino Parque);
  • Atividades didáticas (existem várias programas que os mais novos podem fazer, desde comprar e pintar dinossauros; escavar na areia em busca de dentes de tubarão; moldar barro e brincar em vários parques infantis que vão aparecendo ao longo do trajeto);
  • Zonas de piquenique (hoje em dia é um hábito assente ir passear de lancheira na mão. Poder encontrar um museu que tenha várias zonas de piquenique espalhadas pelos vários circuitos é incrível. O restaurante existente não é muito grande, mas para contornar isso podem sempre levar comida de casa e sentar-se alegremente no “meio da selva”);
  • O ‘labirinto imperdível’ (achei este nome giro para o percurso que fazemos durante a visita ao Dino Parque. É que, de facto, o percurso está tão bem estruturado que não há motivo nenhum para nos perdermos. Um caminho vem logo a seguir ao outro e nós sentimo-nos tipo peixinhos que seguem a maré ou aves que voam ao som do vento!);
  • Muitas zonas verdes (este aspeto é super importante, especialmente a nível ambiental. As peças dos dinossauros estão eficazmente embuídas no próprio pinhal e isto torna o sítio tanto lindo como limpo e natural. Para não falar das fotografias bonitas que se podem tirar);
  • Os Dinossauros (claro que tinha que falar dos próprios dinossauros, afinal de contas, eles são as estrelas aqui do pedaço!!! Verdade seja dita: os bicharocos estão muito giros, cheios de cor, com olhos tão expressivos que mais parecem reais e com todas as informações escritas de forma percetível);
  • Sugestões de fotografia (ora aqui está uma novidade para mim… eu não sei se vocês já tinham visto isto em mais algum sítio, mas eu não: ora bem, pois então de quando em quando aparecem umas placas que dizem “exprimente tirar a fotografia daqui” e vocês posicionam-se lá e tiram fotografias lindíssimas. É muito engraçado e, pelo menos para mim, muito inovador).

 

O que eu acho que falta + ideias para acrescentar valor ao parque:

  • Descontos para estudantes e idosos (como, aliás, existe em quase todos os museus ou estabelecimentos culturais);
  • Música ambiente (como riachos ou mesmo alguns sons dos animais. Estive mais de 5 horas no parque e penso que ouvi apenas uma só vez o som de um animal, mas nem sei bem de onde nem porquê… por isso uns sons ambiente seriam divertidos e davam um toque especial ao parque);
  • Informação audível (Para além da música ambiente – que seria mais um ‘plus’ do que outra coisa – acho que seria muito importante haver uma espécie de ‘voz off‘ que explicasse alguns factos importantes sobre os animais, até porque a grande maioria dos visitantes são crianças pequeninas. No Badoca Park, por exemplo, existe esta função na zona dos primatas);
  • Sacos e caixotes do lixo para os dejetos dos animais (sendo permitida a entrada de animais no recinto, penso que era importante existirem, de x em x metros, alguns sacos de plástico e caixotes do lixo para o efeito);
  • Uma experiência 3D (talvez isto seja mais um sonho meu do que outra coisa, mas num mundo onde quem reina é a tecnologia, talvez fosse interessante ter uma experiência de realidade 3D algures no parque. Ainda que toda a vibe do espaço seja mais relacionada com a natureza, criar um filme onde se mostre a Lourinhã no tempo dos dinosauros poderia não só valorizar o parque como também fazer a delícias dos mais pequeninos, uns dos grandes amantes deste local);
  • “Dinossauros de hoje em dia” (toda a gente sabe que a galinha é descendente dos dinossauros. E os crocodilos também… (Não é???) então porque não criar uma experiência de ‘contacto real’ com esses ‘dinossauros de hoje em dia’?)

Deixo-vos aqui imensas fotografias do local:

E vejam só que até já fomos motivos de vlogs:

Numa forma geral, acho que o Parque está muito giro e bem organizado, mas está bastante dispendioso!! Se eu for, por exemplo, visitar o parque juntamente com os meus pais, vamos gastar só de entrada praticamente 40€ (37,50€), que é quase o que se gasta, por exemplo, no Badoca Park onde há animais que precisam de ser efetivamente alimentados!!

Acho que o Dino Parque ganhava muito mais se praticasse preços mais acessíveis para que as pessoas o pudessem ir visitar mais vezes e não apenas uma.

Espero que tenham gostado desta mini tour pelo Dino Parque Lourinhã e acreditem, estas são só algumas das milhares de fotografias que tirei durante o passeio!!

🐣🐊

 

 E então, ficaram curiosos por conhecer o local ou nem por isso??? 🤔🤔🤔

Beijinhos com amor,

#Joana.

Follow and like 🙂

8 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *